Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

'Capacete tem eficiência mínima para servir como isolamento térmico de imóvel', diz especialista - Rádio América Online

Fale conosco via Whatsapp: +55 19 3652-7006

No comando: Expresso Sertanejo

Das 05:00 às 08:00

No comando: Domingo Especial

Das 05:00 às 13:00

No comando: Bom dia América Online

Das 08:00 às 11:00

No comando: Tele-Toca

Das 11:00 às 12:00

No comando: Aol Notícias

Das 12:00 às 13:00

No comando: Agito Geral

Das 13:00 às 15:00

No comando: Fofocando

Das 13:00 às 15:00

No comando: Overdose

Das 13:00 às 17:00

No comando: Show da tarde

Das 15:00 às 17:00

No comando: Dose Dupla

Das 15:00 às 19:00

No comando: Tele-Toca 2ª edição

Das 17:00 às 18:00

No comando: Especial Sertanejo

Das 17:00 às 19:00

No comando: Expresso sertanejo 2ª edição

Das 18:00 às 19:00

No comando: Campeãs da Semana

Das 19:00 às 20:00

No comando: Território Sertanejo

Das 19:00 às 22:00

No comando: A noite acontece

Das 19:00 às 24:00

No comando: Nostalgia

Das 20:00 às 22:00

‘Capacete tem eficiência mínima para servir como isolamento térmico de imóvel’, diz especialista

Os capacetes utilizados com o objetivo de ser um isolante térmico no telhado de uma loja de artigos para motos no Centro de São Paulo possuem eficiência mínima para isso, explica um especialista ouvido pelo g1.

“Os capacetes possuem uma espuma, essa espuma é feita para dar um conforto térmico para aquela pessoa que está usando, mas usar como o isolante térmico de um imóvel é muito complicado. Ele vai ter eficiência mínima como qualquer outra coisa, por exemplo, qualquer coisa que você jogar em cima de um telhado vai ter essa eficiência mínima”, afirma Alexandre Alarcon do Passo Suaide, doutor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP).

A loja de Francisco Hélio de Freitas Maia, de 58 anos, viralizou na internet após vídeos e fotos mostrarem o telhado dela coberto por 2 mil capacetes.

Segundo Francisco, os capacetes começaram a ser colocados no telhado da loja há 14 anos para criar uma espécie de isolante térmico. Os itens eram artigos velhos e usados doados por clientes, de acordo com ele. Além de diminuir o calor dentro da loja, a outra função dos capacetes, segundo Hélio, era a de tentar impedir que ladrões conseguissem entrar pelo telhado da Hélio Motos. O local, tradicional comércio especializado no segmento, fica na Rua General Osório, no Centro da capital.

Para Suaide, além da proteção mínima, o formato do capacete também não ajuda na proteção por ser aberto. O físico explicou também que a espuma do capacete, que serve como a proteção, com o tempo, entra em deterioração.

“Na prática qualquer produto ajuda termicamente, por exemplo, até terra em cima de um telhado. No caso dos capacetes com certeza não é uma coisa eficiente para fazer isolamento térmico. Ali pode ocasionar mais problemas do que solução com o tempo, como o acúmulo de sujeira, insetos, água da chuva, então existem soluções mais razoáveis para isso”, afirmou.

Entre os materiais mais utilizados como isolante térmicos em construções estão a cerâmica, a lã de vidro e o poliestireno expandido.

Capacetes doados

Os policiais querem saber, por exemplo, se os capacetes colocados no telhado foram roubados ou furtados de motociclistas já que não possuíam notas fiscais. Os agentes encontraram os acessórios por acaso, durante uma fiscalização em busca de possíveis irregularidades no comércio local de equipamentos para motos.

“Se tratava de capacetes usados deixados na loja por clientes que adquiriram capacetes novos e que os deixavam no telhado visando impedir o calor na loja e dificultar a ação criminosa de indivíduos na sua loja”, alegou Hélio em seu depoimento à polícia, que apreendeu todos os itens de segurança por suspeita de irregularidade.

Após prestar depoimento na Divisão de Investigações sobre Furtos, Roubos e Receptações de Veículos e Cargas (Divecar), Hélio foi liberado porque não foi comprovado nenhum crime contra ele.

“Com relação ao grande volume de capacetes”, Hélio “informou que estes foram juntados ao longo de 14 anos” e que “utiliza dois carrinhos de supermercado no interior da loja para o descarte e quando estes ficam cheios, os levam para telhado, faz um furo no meio deles e passa uma corda de aço”.

A 1ª Delegacia da do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) investiga o caso. “Os capacetes não tinham notas fiscais, por isso foram apreendidos”, disse nesta terça-feira (10) ao g1 a delegada Leslie Caran Petrus, que comandou a operação. “Ali é uma região conhecida como ‘boca das motos’ ou ‘quadrilátero das motos’ justamente por haver locais onde peças são comercializadas de maneira ilegal”.

Fonte: G1

Deixe seu comentário: