Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Comitê da ONU diz que Brasil pode ser responsabilizado por danos ao clima - Rádio América Online

Fale conosco via Whatsapp: +55 19 3652-7006

No comando: Expresso Sertanejo

Das 05:00 às 08:00

No comando: Domingo Especial

Das 05:00 às 13:00

No comando: Bom dia América Online

Das 08:00 às 11:00

No comando: Tele-Toca

Das 11:00 às 12:00

No comando: Aol Notícias

Das 12:00 às 13:00

No comando: Agito Geral

Das 13:00 às 15:00

No comando: Fofocando

Das 13:00 às 15:00

No comando: Overdose

Das 13:00 às 17:00

No comando: Show da tarde

Das 15:00 às 17:00

No comando: Dose Dupla

Das 15:00 às 19:00

No comando: Tele-Toca 2ª edição

Das 17:00 às 18:00

No comando: Especial Sertanejo

Das 17:00 às 19:00

No comando: Expresso sertanejo 2ª edição

Das 18:00 às 19:00

No comando: Campeãs da Semana

Das 19:00 às 20:00

No comando: Território Sertanejo

Das 19:00 às 22:00

No comando: A noite acontece

Das 19:00 às 24:00

No comando: Nostalgia

Das 20:00 às 22:00

Comitê da ONU diz que Brasil pode ser responsabilizado por danos ao clima

Numa decisão histórica, o Comitê da ONU para o Direito das Crianças anunciou que o Brasil e outros quatro países podem ser responsabilizados por não adotar medidas insuficientes para garantir a proteção ambiental. O caso havia apresentado há dois anos pela ativista sueca Greta Thunberg e outros 15 jovens ativistas de diversos países, entre elas uma brasileira. Mas o organismo internacional optou por não tomar uma decisão sobre uma eventual condenação contra o Brasil, rejeitando a queixa e alegando que as instâncias nacionais na Justiça não tinham sido exauridas.

A decisão é anunciada às vésperas da cúpula do Clima e, apesar de não aceitar uma condenação, amplia a pressão sobre o governo de Jair Bolsonaro e de outros países. Em 2019, Greta foi chamada pelo presidente brasileiro de “pirralha”. Em declarações ao UOL alguns meses depois, ela respondeu e mandou um recado a Bolsonaro: “escute a ciência”.

A denúncia na ONU apontava que Brasil, Argentina, Turquia, Alemanha e França não faziam o suficiente para impedir o aquecimento global. Na avaliação do grupo de jovens, isso era uma violação dos direitos infantis e de suas obrigações sob a Convenção dos Direitos da Criança, assinada há 30 anos.

Ao se defender, o governo Bolsonaro argumentou que os autores “não conseguiram demonstrar a responsabilidade do Brasil por um ato ilícito internacional” e que as crianças “não demonstraram até que ponto as supostas violações poderiam ser atribuídas ao Brasil”.

Não foi por esse motivo, porém, que o Comitê decidiu não condenar os estados e seus peritos confirmam que, de fato, os governos podem ser responsabilizados por danos.

O Comitê, portanto, determinou que a Argentina, Brasil, França, Alemanha e Turquia tinham controle efetivo sobre as atividades que são as fontes de emissões que contribuem para o dano previsível às crianças fora de seus territórios. “O Comitê concluiu que havia sido estabelecido um nexo causal suficiente entre o dano alegado pelas 16 crianças e os atos ou omissões dos cinco Estados para fins de estabelecimento de jurisdição, e que as crianças tinham justificado suficientemente que o dano que elas haviam sofrido pessoalmente era significativo”, alertou.

O Comitê, porém, considerou que não está apto a julgar se os Estados partes neste caso específico haviam violado suas obrigações para com a Convenção sobre os Direitos da Criança.

“Os procedimentos de reclamação exigem que as petições só sejam admissíveis após os reclamantes terem levado a reclamação aos tribunais nacionais e já terem esgotado os recursos legais que podem estar disponíveis e eficazes nos países em questão antes de apresentar sua reclamação ao Comitê”, completam.

A denúncia exigia que os países tomassem medidas para proteger as crianças dos impactos das mudanças climáticas. “Os líderes mundiais não cumpriram suas promessas. Eles prometeram proteger nossos direitos e não fizeram isso”, disse Thunberg, ao lançar o projeto. Entre os jovens que assinam a petição está a brasileira Catarina Lorenzo, de Salvador. “Não permitiremos que eles tirem nosso futuro. Eles tiveram o direito de ter seu futuro. Por que não temos o direito de ter o nosso?”, disse Catarina Lorenzo em 2019.

Para o Comitê, “um estado pode ser responsabilizado pelo impacto negativo de suas emissões de carbono sobre os direitos das crianças tanto dentro como fora de seu território”.

Trata-se da primeira decisão de um organismo internacional neste sentido.

“As crianças alegaram que estes cinco países, que eram emissores históricos e tinham reconhecido a competência do Comitê para receber petições, não tinham tomado as medidas preventivas necessárias para proteger e cumprir os direitos das crianças à vida, à saúde e à cultura”, disse a ONU, num comunicado.

“As crianças também argumentaram que a crise climática não é uma ameaça futura abstrata e que o aumento de 1,1°C na temperatura média global desde os tempos pré-industriais já causou ondas de calor devastadoras, promovendo a propagação de doenças infecciosas, incêndios florestais, padrões climáticos extremos, enchentes e elevação do nível do mar. Como crianças, alegavam eles, estavam entre os mais afetados por esses impactos que ameaçam a vida, tanto mental quanto fisicamente”, diz.

O Comitê realizou cinco audiências orais com os representantes legais das crianças, os representantes dos Estados e terceiros intervenientes entre maio e setembro de 2021.

O Comitê também ouviu diretamente as crianças. Nesta decisão histórica, o Comitê constatou que os Estados envolvidos exerciam jurisdição sobre essas crianças.

“Os Estados emissores são responsáveis pelo impacto negativo das emissões originadas em seu território sobre os direitos das crianças – mesmo aquelas crianças que podem estar localizadas no exterior”, afirmou.”A natureza coletiva das causas das mudanças climáticas não deve absolver um Estado de sua responsabilidade individual”, disse Ann Skelton, uma das representantes do Comitê. “É uma questão de provar suficientemente que existe um vínculo causal entre o dano e os atos ou omissões dos Estados”, acrescentou Skelton.

Fonte: UOL

Deixe seu comentário: