Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Farmácias da cidade de SP relatam falta de medicamentos para gripe - Rádio América Online

Fale conosco via Whatsapp: +55 19 3652-7006

No comando: Expresso Sertanejo

Das 05:00 às 08:00

No comando: Domingo Especial

Das 05:00 às 13:00

No comando: Bom dia América Online

Das 08:00 às 11:00

No comando: Tele-Toca

Das 11:00 às 12:00

No comando: Aol Notícias

Das 12:00 às 13:00

No comando: Agito Geral

Das 13:00 às 15:00

No comando: Fofocando

Das 13:00 às 15:00

No comando: Overdose

Das 13:00 às 17:00

No comando: Show da tarde

Das 15:00 às 17:00

No comando: Dose Dupla

Das 15:00 às 19:00

No comando: Tele-Toca 2ª edição

Das 17:00 às 18:00

No comando: Especial Sertanejo

Das 17:00 às 19:00

No comando: Expresso sertanejo 2ª edição

Das 18:00 às 19:00

No comando: Campeãs da Semana

Das 19:00 às 20:00

No comando: Território Sertanejo

Das 19:00 às 22:00

No comando: A noite acontece

Das 19:00 às 24:00

No comando: Nostalgia

Das 20:00 às 22:00

Farmácias da cidade de SP relatam falta de medicamentos para gripe

Com a alta de casos de Influenza na cidade de São Paulo, farmácias de várias regiões da capital relataram desabastecimento de medicamentos como Naldecon e Coristina D, usados para aliviar sintomas gripais.

g1 esteve em 11 farmácias nesta quinta-feira (13) e sete delas estavam sem Naldecon – paracetamol, que age para aliviar febre e dor no corpo, três drogarias não tinham Coristina D, e duas estavam sem a pastilha Strepsils.

Na Drogasil, os funcionários de duas unidades da Zona Sul informaram que Naldecon estava em falta em toda a rede. “O Naldecon está em falta no mercado em geral. Muita gente está procurando por remédios gripais, alguns são faltas eventuais, agora o Naldecon não temos previsão de quando será reposto”, disse um atendente.

Uma das unidades da Zona Sul também estava sem Coristina D, a falta também foi registrada em uma unidade da Zona Oeste, na quarta-feira (12). No mesmo dia, um consumidor relatou dificuldades em encontrar o remédio na Zona Norte .

A Drogasil da Rua Desembargador do Vale, na Zona Oeste, estava com a prateleira de remédios gripais vazia.

“Com os casos de gripe, está tendo muita demanda desses medicamentos que ajudam a combater resfriado. Eles vão chegando de pouquinho em pouquinho, e as pessoas vão levando”, afirmou uma funcionária.

Na Drogaria São Paulo, atendentes afirmaram que aumentou a procura por remédios para a gripe. Duas unidades da Zona Sul estavam sem Naldecon, uma unidade da Zona Oeste também estava sem o medicamento e, além dele, faltavam Novalgina, Strepsils e Multigripe.

Unidades da Drogasil, da Droga Raia e da PagMenos também relataram o desabastecimento de Naldecon. Em uma unidade da Droga Raia, o medicamento Neolefrin, que é recomendado para congestão nasal, dores em geral e febre, também estava em falta, mas um funcionário informou que seria reposto.

A Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) informou que não possui dados disponíveis sobre a escassez dos medicamentos citados na reportagem.

g1 procurou a Reckitt Benckiser Brasil, fabricante do Naldecon, mas, até a última atualização desta reportagem, não teve retorno.

Atendimento de pessoas com sintomas gripais

Na primeira semana de janeiro, a capital paulista registrou recorde de atendimentos de pessoas com sintomas gripais. Nos primeiros 5 dias do ano foram realizados 57.351 atendimentos a pessoas com sintomas respiratórios, sendo 32.956 suspeitos de Covid-19.

Tanto prontos-socorros públicos quanto privados registraram aumento de pacientes e longas filas de espera para atendimentos nos últimos dias. Hospitais infantis também estão lotados por conta da alta de casos de Covid e outras doenças respiratórias.

O casos de Covid-19 também subiram na capital, entre os dias 1º e 6 de janeiro, o município de São Paulo notificou 10.163 casos com confirmação laboratorial para Covid-19. O número de pessoas internadas em leitos de UTI para a Covid saltou de 40, na terça (11), para 111 nesta quarta-feira (12) na cidade de São Paulo, de acordo com dados da Prefeitura. A taxa de ocupação foi de 41% para 66%.

Fonte: G1 SÃO PAULO

Deixe seu comentário: