Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Peixe-lua gigante é encontrado por pescadores de atum na Espanha - Rádio América Online

Fale conosco via Whatsapp: +55 19 3652-7006

No comando: Expresso Sertanejo

Das 05:00 às 08:00

No comando: Domingo Especial

Das 05:00 às 13:00

No comando: Bom dia América Online

Das 08:00 às 11:00

No comando: Tele-Toca

Das 11:00 às 12:00

No comando: Aol Notícias

Das 12:00 às 13:00

No comando: Agito Geral

Das 13:00 às 15:00

No comando: Fofocando

Das 13:00 às 15:00

No comando: Overdose

Das 13:00 às 17:00

No comando: Show da tarde

Das 15:00 às 17:00

No comando: Dose Dupla

Das 15:00 às 19:00

No comando: Tele-Toca 2ª edição

Das 17:00 às 18:00

No comando: Especial Sertanejo

Das 17:00 às 19:00

No comando: Expresso sertanejo 2ª edição

Das 18:00 às 19:00

No comando: Campeãs da Semana

Das 19:00 às 20:00

No comando: Território Sertanejo

Das 19:00 às 22:00

No comando: A noite acontece

Das 19:00 às 24:00

No comando: Nostalgia

Das 20:00 às 22:00

Peixe-lua gigante é encontrado por pescadores de atum na Espanha

O biólogo marinho Enrique Ostale não acreditou na sua sorte ao ver o enorme peixe-lua que fora chamado para avaliar depois que um barco de pesca de atum o encontrou preso em suas redes na costa mediterrânea de Ceuta, no início deste mês.

O peixe-lua mamute – uma espécie classificada como vulnerável e não consumida na Europa – tinha 3,2 metros de comprimento e 2,9 metros de largura, disse Enrique Ostale à agência Reuters na quinta-feira (14), um achado recorde para a área onde, devido às marés e padrões migratórios do peixe-lua, a espécie em si não é rara.

Mas o peixe em questão era pesado demais para a balança de uma tonelada, que quase quebrou com seu peso, disse Ostale, que chefia o Laboratório de Biologia Marinha da Universidade de Sevilha, no enclave espanhol de Ceuta.

O peixe foi isolado inicialmente em uma câmara subaquática anexada ao barco antes de ser içado a bordo por um guindaste, onde permaneceu por alguns minutos enquanto Ostale e seus colegas biólogos faziam medições, fotos e retiravam amostras de DNA.

Com pele cinza escura, sulcos arredondados em seus flancos e uma grande cabeça de aparência pré-histórica, este espécime em particular era provavelmente uma mola alexandrini, uma subespécie do gênero peixe-lua mola, que apresenta uma barbatana traseira recortada distintamente em forma de toco.

“Não podíamos acreditar na nossa sorte, porque lemos livros e artigos sobre as dimensões que um peixe-lua poderia ter, mas não sabíamos que seríamos capazes de vê-lo e tocá-lo nós mesmos”, disse Ostale.

Ele acrescentou que também foi estressante: “Tivemos que lidar com a situação, avaliar os perigos porque estávamos no meio do mar com dois barcos, um guindaste, o peso e principalmente por ser um animal vivo…. Tivemos que obter os dados de que precisávamos o mais rápido possível”.

Mas a extração e o retorno do peixe à água, que ocorreu no dia 4 de outubro, ocorreram sem problemas, para alívio dos pescadores e cientistas a bordo, que viram a criatura desaparecer nas profundezas de 700 metros que são seu lar.

Fonte: G1 MUNDO

Deixe seu comentário: