Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Raríssimo polvo-véu é avistado na Grande Barreira de Corais, na Austrália - Rádio América Online

Fale conosco via Whatsapp: +55 19 3652-7006

No comando: Expresso Sertanejo

Das 05:00 às 08:00

No comando: Domingo Especial

Das 05:00 às 13:00

No comando: Bom dia América Online

Das 08:00 às 11:00

No comando: Tele-Toca

Das 11:00 às 12:00

No comando: Aol Notícias

Das 12:00 às 13:00

No comando: Agito Geral

Das 13:00 às 15:00

No comando: Fofocando

Das 13:00 às 15:00

No comando: Overdose

Das 13:00 às 17:00

No comando: Show da tarde

Das 15:00 às 17:00

No comando: Dose Dupla

Das 15:00 às 19:00

No comando: Tele-Toca 2ª edição

Das 17:00 às 18:00

No comando: Especial Sertanejo

Das 17:00 às 19:00

No comando: Expresso sertanejo 2ª edição

Das 18:00 às 19:00

No comando: Campeãs da Semana

Das 19:00 às 20:00

No comando: Território Sertanejo

Das 19:00 às 22:00

No comando: A noite acontece

Das 19:00 às 24:00

No comando: Nostalgia

Das 20:00 às 22:00

Raríssimo polvo-véu é avistado na Grande Barreira de Corais, na Austrália

Imagens de um raríssimo polvo-véu foram registradas na Grande Barreira de Corais, na Austrália, pela bióloga marinha Jacinta Shackelton, que postou um vídeo (assista acima) e fotos do animal em uma rede social.

Com sua longa cauda flutuante colorida, a espécie é tão rara que até hoje existem apenas quatro registros de avistamentos no local, o primeiro há 21 anos.

A bióloga contou que chegou a ter dificuldades para continuar respirando com seu equipamento porque, emocionada, começou a gritar embaixo d’água ao se certificar de que era realmente um polvo-véu (Tremoctopus Violaceus Violaceus).

“Quando o vi pela primeira vez, pensei que poderia ser um peixe juvenil com barbatanas longas, mas quando se aproximou, percebi que era um polvo-véu fêmea e tive uma sensação avassaladora de alegria e emoção”, disse Shackelton ao jornal britânico “The Guardian”.

A certeza de que se tratava de uma fêmea aconteceu porque os machos dessa espécie são minúsculos e não possuem a cauda, que se assemelha a um véu. Enquanto uma fêmea pode chegar a medir até 2 metros, um macho não passa de 2,4 cm.

A raridade dos avistamentos é atribuída ao fato de que a espécie vive principalmente no oceano, muito longe da costa.

Fonte: G1 MUNDO

Deixe seu comentário: